Porto Feliz (SP) gasta R$ 100 mil em ‘kit covid-19’ com cloroquina

O município paulista de Porto Feliz criou um “kit covid-19”, entregue a pacientes em estágio inicial dos sintomas do novo coronavírus. Entre os medicamentos do coquetel está a hidroxicloroquina, cuja efetividade no tratamento da doença é descartada por diversos estudos brasileiros e internacionais – mas que é defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Hoje foi anunciado um protocolo do governo federal sugere que se usa a droga em casos leves.

Reportagem da TV Cultura mostrou que a cidade tem feito medições de temperatura em seus cidadãos e, quem está com sintomas iniciais da covid-19, recebe um kit com hidroxicloroquina, azitromicina, enoxaparina, remédio para enjoo e anti-inflamatório.

De acordo com a TV, foram feitos 2 mil kits, com custo de R$ 100 mil à prefeitura.

“A gente deu em torno de 200 tratamentos até o momento e o nível de sucesso, de pacientes que evoluíram muito bem é muito grande. Temos em torno de 150 altas e dos 37 internados, 35 já recuperados”, disse a responsável pelo kit, Ana Paula Melo dos Santos, clínica geral e intensivista, à Cultura. A prefeitura diz que usa como exemplo tratamentos realizados na Europa e que é preciso de recomendação médica.

“Esse kit custa menos de R$ 40 e não há por que as pessoas não utilizarem. Ele tem eficiência na fase inicial da doença, nos primeiros cinco ou seis dias”, defendeu o prefeito, Cássio Habice Prado, do PTB.

A cloroquina e a hidroxicloroquina ainda não tiveram eficácia comprovada e, além disso, estudos mostram que ela aumenta o risco de morte súbita por complicações cardíacas. O uso do medicamento rotineiramente não é recomendado pelas associações médicas brasileiras de medicina intensiva, de infectologia e de pneumologia.

*UOL

Redação

Sobre o autor : Esta notícia foi publicada por um dos redatores do SeuJornal,não significa que foi escrita por um deles, na maioria dos casos, foi apenas editada.
Botão Voltar ao topo
Fechar