Coronavírus: aumento de entregas expõe motoboys ao risco de contaminação

 Entregadores devem redobrar atenção e cuidados com a higiene; saiba como

(Crédito: Divulgação)

Muitos motoboys não conseguem adaptar a rotina e parar de trabalhar durante o período de isolamento social. Os serviços de entregas de comidas, documentos, remédios e outros itens de necessidade básica continuam acontecendo, e têm sido muito importantes para diminuir a circulação das pessoas nas ruas para tentar desacelerar a curva de contaminação pelo novo coronavírus. Entretanto, os entregadores de delivery ficam expostos a muitos riscos e precisam adotar cuidados extras para se proteger da doença. 

Além do alto risco pessoal de se contaminar, esses profissionais também podem afetar a saúde e o bem-estar das suas famílias. Pensando nisso, a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), em conjunto com o Sindicato dos Mensageiros Motociclistas do Estado de São Paulo (SindimotoSP) e a Federação Brasileira dos Motociclistas Profissionais (Febramoto), criou e divulgou uma cartilha com orientações e dicas práticas de assepsia e indicações de mudanças de hábitos para motoboys, motofretistas e ciclistas enfrentarem a pandemia com mais segurança entre uma entrega e outra. Para ter acesso ao material, basta clicar no seguinte link: www.abramet.com.br/repo/public/commons/cartilha.pdf.

Durante as entregas

A recomendação é higienizar os materiais de trabalho com frequência. Para isso, a indicação é usar compartimentos de transporte feitos de materiais lisos e laváveis e isolar os equipamentos de proteção e fixação das mercadorias de fontes de contaminação. Além disso, alimentos e outros itens devem ser transportados com as embalagens originais e dentro de sacolas. Ao entregar, tente manter, ao menos, uma pequena distância – evite contato físico e conversas prolongadas com clientes e fornecedores.  

Cuidados com as motos

O uso pessoal de máscara facial – descartável ou lavável – é obrigatório, mas, para manter a máxima proteção, é importante trocar a cada duas horas ou quando estiver úmida. Levar sempre uma quantidade de máscara reserva para substituir ao longo do dia é a recomendação. Limpe o guidão, capacete, manetas, partes da moto e outras superfícies que tenham contato com as mãos, como máquina de cartão, com água e sabão, álcool 70% (líquido ou gel) ou ainda com água sanitária. Para a sua segurança e das demais pessoas, evite dar carona e mantenha distância na fila quando o trânsito parar. 

Em todos os lugares

Evite tocar os olhos, o nariz e a boca com as mãos, e, ao tossir e espirrar, use lenço de papel, cubra o rosto com a manga da roupa ou com o braço dobrado na altura do cotovelo. Lave as mãos muitas vezes ao dia por, pelo menos, 20 segundos com água e sabonete ou use álcool líquido ou gel. O cuidado com aparelhos eletrônicos e pertences pessoais também deve ser redobrado – desinfete celular, chaves, entre outros objetos com álcool 70%. Lembrando que é necessário manter distância mínima de um metro durante conversas.

Durante os intervalos


Na hora de parar para comer, não compartilhe talheres, copos ou itens de uso pessoal e evite alimentos de origem desconhecida ou desprotegidos. Mesas de refeitórios próximas facilitam o contágio, por isso, mantenha a distância indicada de um metro ao se alimentar. Leve garrafas de água e não use bebedouros coletivos, mesmo aqueles com proteção de boca.

Cuidados em casa

Cuidados extras como isolar uma parte na entrada de casa para deixar roupas, calçados, bolsas e mochilas antes de entrar ou, se precisar entrar com as peças, colocá-las em sacos plásticos ajudam na prevenção contra a Covid-19. Lave as mãos assim que chegar e não toque em pessoas ou objetos antes de higienizá-los. 

Além disso, é comum ver entregadores reunidos em comércios, restaurantes e outros estabelecimentos de alta demanda ao aguardar os pedidos, por isso, vale ressaltar que uma das principais recomendações dos órgãos de saúde é evitar aglomerações e manter um metro de distância. 

Sintomas

Fique atento aos principais sintomas do vírus conhecidos até o momento: febre, tosse forte e falta de ar, além de perda do olfato e do paladar.  

Caso sinta esses sintomas, avise rapidamente a empresa e a sua família, não se automedique e evite contato físico e próximo com outras pessoas. Somente se perceber piora no quadro procure o auxílio médico mais próximo ou por meio do telefone 136, do Ministério da Saúde, e siga as recomendações.

Leia mais notícias e artigos no SeuJornal.com

Redação

Sobre o autor : Esta notícia foi publicada por um dos redatores do SeuJornal,não significa que foi escrita por um deles, na maioria dos casos, foi apenas editada.
Botão Voltar ao topo
Fechar