Conheça Roger Gracie, astro do jiu-jitsu brasileiro

Parte da família que domina a história dessa modalidade de luta no Brasil, o atleta coleciona vitórias desde o início da carreira

(Crédito: Divulgação)

Com disputas das mais diversas modalidades de esportes paradas por conta da pandemia de coronavírus, os torcedores buscam rever momentos marcantes das competições mundiais e conhecer as histórias de ícones do Brasil, como Roger Gracie, um dos mais bem-sucedidos lutadores de jiu-jitsu do país e primeiro tri-campeão mundial na categoria absoluto.

Com um extenso histórico de lutas árduas e rotina de treinos exaustivos, que vão muito além das séries de supino, agachamentos ou tempo de corrida na esteira, que a maioria das pessoas comuns realiza para se manter em forma, o atleta, inspiração para muitos brasileiros, começou a ter contato com o esporte desde o berço, já que é parte da família precursora do estilo de luta no Brasil, os Gracie.

Hoje, aos 38 anos, é dono de dez títulos mundiais de jiu-jitsu apenas na faixa preta. Desde o início sendo reconhecido como um atleta diferenciado, teve suas grandes conquistas muito mais cedo: quando tinha apenas 18 anos, em 2000, venceu seu primeiro Campeonato Mundial, na faixa azul. Em 2001, na faixa roxa, e no ano seguinte ganhou em peso e absoluto na marrom.

A sequência de vitórias não parou: foi convidado a participar do  ADCC (Abu Dhabi Combat Club Submission Wrestling World Championship) e deixou mais uma vez sua marca – desta vez, no 3º lugar de sua divisão. Após tantos títulos já conquistados, recebeu a graduação mais alta – a faixa preta – no ano de 2004.

Meses depois, competindo agora com os mais experientes do jiu-jitsu, conquistou a segunda colocação em outro mundial – desta vez, com a graduação mais alta. A final desse campeonato foi marcante, mas talvez não da maneira que os fãs e o atleta esperavam. Entrou para a história como uma disputa épica contra seu maior rival, Ronaldo Jacaré, que conquistou a vitória.

Ao longo de sua carreira, Roger Gracie fez 83 lutas na faixa preta, vencendo 76 e finalizando 62. Entre 2006 e 2016, o atleta lutou dez vezes no MMA profissional e saiu vitorioso em oito dos combates.

A despedida de Roger aconteceu no campeonato consagrado que leva o nome de sua própria família, o Gracie Pro, no ano seguinte, quando enfrentou o grande atleta  Marcus “Buchecha”. Para a surpresa de todos, Roger completou sua carreira com chave de ouro: não mostrou dificuldades em finalizar o oponente e, mais uma vez, conquistou a luta.

Hoje, o atleta passa seu conhecimento em uma importante escola de jiu-jitsu, fundada por ele na cidade de Londres, na Inglaterra, onde, assim como no Brasil, segue sendo reconhecido como mais um diamante do esporte vindo da família Gracie.

Redação

Sobre o autor : Esta notícia foi publicada por um dos redatores do SeuJornal,não significa que foi escrita por um deles, na maioria dos casos, foi apenas editada.
Botão Voltar ao topo
Fechar